Hoje reinicio aqui no blog do Otário um dos espaços que, anteriormente, eram o rosto e a imagem de marca do meu cantinho (aqui!).

Regras e normas:
este espaço intitulado 'Histórias Trocadas' consiste na realização de um texto por duas ou mais pessoas. Esse grupo de pessoas arranja uma folha de papel e, à medida que o primeiro jogador preenche entre 2 a 3 linhas (conforme a sua criatividade), os restantes esperam pela sua vez e assim sucessivamente. Há que frisar que, de cada vez que um jogador termina de preencher a sua vez, terá de dobrar toda a folha deixando apenas uma linha visível à leitura do próximo jogador. Assim, à medida que a folha passa de mão em mão, nenhum jogador saberá no que se baseia verdadeiramente a história e, deste modo, só terá de imaginar algo consoante a única frase que lhe ficará visível. O objectivo é criar um texto engraçado e divertido, evitando torna-lo confuso (o mais possível!). O exemplo abaixo é um recente resultado deste jogo, que realizei com a minha irmã: a letra a castanho representa a minha parte da escrita e, a verde, a da minha irmã.

O que é preciso para jogar este jogo?
Necessitas apenas de um ou mais parceiros, uma única folha de papel e esferográfica (s). Não recomendo a utilização de lápis de carvão pois, ao dobrar a folha durante o jogo, poderá borrar e não dar a entender certas passagens do texto.

Histórias Trocadas IV

Era uma vez um menino chamado Luís que
resolveu criar um blog com o nome
'blog-do-otario'.
Era um espaço muito bonito,
liderado por um humanóide bastante inteligente. Era e é,
porque ainda existe. O que muitos visitantes
lamentam. Não se sabe lá muito bem, mas quem o conhece,
diz que é muito sábio. E quem o conhece também.
Eu conheço e não acho que ele é sábio ele é, é um otário. Pois é. Sempre foi. Mas a
culpa nem é dele. É um defeito de família.
Ele gostava de sair à irmã mas não sai.
Mas a quem afinal ele sai? Ao pai não é,
que ele não sabe usar blogs. À irmã talvez, qua já os usou.
À mãe também não, que não mexe no computador.
Nem muito menos ao canário da irmã dele,
o laranjinha. Mas esse é um canário que só
come e caga. Ah! Por vezes também pia, mas nunca sai da
gaiola. Casa. Era a casa dele, sim. Fazia de tudo
lá. Que porcalhão. ' Aquele pássaro é um porco', diziam.
Mas para além disso também diziam: 'Que Luís
tão Otário'. Que vergonha. Pois era. Era e foi,
'uma vaca que pariu um boi'. Neste caso era 'um canário que
pariu um porco'! Quem, o Otário? Mas ele
é homem. Talvez seja também Otário. Porco ele
não é.

FIM!



Entretanto, esta semana estarei fora e não poderei responder aos vossos comentários.


Volto dia 22 (Domingo). Vou aproveitar o sol do Algarve e dar uns passeios por lá!



Comentários

Sorrisos em Alta disse…
Obrigado pela vista à minha "organização" (cof, cof).

Uma boa semana para ti

Ateé já
amordemadrugada disse…
Quem me dera estar aí! Espero ke te divirtas Otariooooooo! loli
Boas ferias
Beijito

Ho, que lindos textos, que poético, que lindo!