Otário aprova casamento Gay!
(conforme padrões concretamente estipulados e 'estipuladamente' concretos)

(imagem pertencente ao administrador do blog)

Antes de mais, quero aqui deixar claro que aprecio Gajas, embora não seja relevante a esta rubrica. Gajas Boas.

Relativamente ao compromisso homossexual, sou da opinião de que este deveria ser legalizado. Inicialmente, seja como for, esta união entre pessoas do mesmos sexo, irá sempre acontecer. O casamento viria, decerto e apenas, tentar diminuir preconceitos e igualar direitos e regalias perante o casamento heterossexual.

De outro modo, sou contra a adopção nestes termos.
O par homossexual deveria ser coibido de adoptar.

Mas aqui, claro está, é algo bastante controverso; seria tanto injusto como perturbador uma criança nascer e passar a sua infância com '2 pais' ou 'duas mães', convivendo com os seus amigos e se aperceber, por terceiros, na sua cabeça pequena, o que se sucede.

E as crianças que necessitam de afecto, de melhores condições de vida?
As crianças que nascem sem os seus progenitores?
As crianças que, em muitos casos, abandonadas por pais alcoólicos, sem condições económicas e/ou mentais de sustentar um filho, instrução ou modos.

Duas opções surgem à tona:

Educam-se estas pessoas, excluídos da sociedade, a se inserirem, a saber conviver, a aprender a socializar, a criar laços de afecto. Boa solução, mas a falta de meios e gastos à ocorrência dificultam a operação, tal qual a dificuldade e suposta não aderência dessas pessoas à situação. Seria algo que teria de partir do interior de cada um, e não do exterior.

A segunda opção seria a legalização da adopção homossexual. Aqui, as crianças deveriam ser, desde uma tenra idade, seguidas por uma psicóloga durante um longo período de tempo ou por um membro, do sexo contrário aos pais, que se disponibilizasse a partilhar a sua vida com a família. Contudo, seria necessária uma capacidade económica sustentável. Penso ser, esta solução, mais provável que a anterior.

A união Gay não deveria ser um assunto tabu.
A sociedade apresenta opiniões unânimes quanto ao caso, opiniões vindas de terceiros, opiniões de pessoas, muitas vezes, ignorantes ou incultas. Todos nós, seres humanos, apresentamos pontos fracos e fortes, todos apresentamos lacunas, distúrbios ou tormentas passageiras ou não.
Ninguém é perfeito.

Quem caracteriza esta união tendo como base uma única imagem ou caso deveria ter em mente que, apesar de tudo, o homossexual também é humano. E merece respeito.

Até mais ver,
Otário.

Comentários

Tita disse…
sim, é verdade.
mas ha prismas e prismas.
Ritinha disse…
concordo ctg e adoooooooooooorei a foto xD

Beijinho
Gata das Trevas disse…
Pra mim, ser gay ou lésbia, é uma questão da natureza de cada um. Ninguem escolhe ser assim, acontece! Eu tb não escolhi ser heterosexual, ter 1,61 e ser mulher! Aconteceu!
carpe vitam! disse…
é sempre interessante saber a tua opinião. eu cá acho que o mais importante para uma criança é ser educada num ambiente equilibrado onde haja respeito e amor, independentemente do sexo e das pessoas que a educam. Sabemos bem que nem sempre os pais biológicos são a melhor opção. e se serem adoptadas por casais homossexuais for uma forma de retirar crianças das instituições, não vejo porque não, mas é apenas a minha opinião. O que torna as coisas difíceis é a mente preconceituosa de muita gente, pensar que ter dois pais ou duas mães é estranho. Não há tantas crianças filhas de pais divorciados de acabem por ter dois pais ou duas mães? Já existem suficientes casos do famílias onde a homossexualidade é assumida para se estudar os efeitos que isso tem na vida das pessoas. Em qualquer caso, o preconceito é sempre o efeito mais nefasto, e a mudança de mentalidades a mais difícl de se conseguir.

Ho, que lindos textos, que poético, que lindo!