15/09/11

Divagações 15: mete tu um nome nisto, não me apetece pensar

CLICA-ME NO COISO
Eu, de facto, não sei quem sou. De todas as coisas que fiz, faço, farei, independentemente do valor que lhes conceder, não terão qualquer influência no Universo. Por vezes penso nisso, e sinto pena? Não, não sinto pena, eu ralado p'ró Universo, o tanas, quero é saber de mim. Eu amo-me, não sei se já tinha referido isso. E isso é bom, quer dizer, nas relações que tive comigo mesmo nunca me desiludi. Mas, quer dizer, se não me ralo com o Universo, que importância darei à minha vida? Uma busca pela felicidade? Sou feliz comigo, ora, conheço-me vai para vinte e um anos e nunca me cortei relações. O que é um facto invejável, para quem, como eu, acha as pessoas muito estranhas. Ou então eu é que sou estranho. Ou talvez sejas tu o estranho. Se calhar somos todos estranhos. Que a anne hathaway se torne uma boa actriz se isto não for verdade. Por vezes acho que ninguém me leva a sério. Talvez só eu me leve a sério. Eu e você que me lê, por alguma eventual razão. Por isso, o meu muito obrigado, pessoa eventualmente desconhecida.