E o leproso estava caidinho por ela...

Acabado de ler o caderno6 de Gonçalo M. Tavares, intitulado O Senhor Henri, em 45 minutos e em alta voz para as paredes brancas desta casa, notei a minha particularidade em entoar os 's' e os 'ch', relendo palavras como 'absinto', 'essenciais' e 'despensa' ao longa desta obra. De facto, quando profiro palavras com essas consoantes, tenho alguma dificuldade em me fazer ouvir, e a verdade é que, por vezes, pareço mais um estrangeiro que um português ao dizer palavras como 'necessidade' o que, por um lado, se torna necessariamente prejudicial a quem se quer fazer ouvir, mas, por outro, talvez tenda a elevar a minha capacidade cultural na medida em que me torna um embuste de um estrangeiro com talento em estabelecer conversações na língua portuguesa. Neste caso, e em casos idênticos, há que procurar as vantagens de uma desvantagem que nos assole... relembro, agora, um caso em que estive diante de uma jovem universitária de 18 anos que tinha tomado umas coisas estranhas, falando desta minha capacidade linguística, e de eu ter dito 'salsicha' e a jovem começar um riso louco e desmedido, que ateou a chama para conversas mais sérias. Fiquei particularmente estupefacto como basta somente um charro e a entoação de uma palavra que assinala um enchido de pequeno diâmetro, geralmente preparado com carne de porco, temperada com sal e outros condimentos, envolvida em tripa ou invólucro sintético, para animar tanto uma pessoa. Sim. Disseram-me também, recentemente, que não entendem porque motivo retirei os comentários deste tão estimado estabelecimento bloguístico. Bem... às duas pessoas que directamente me abordaram com esse facto notório, eu respondo: retirei os comentários do blog, primeiro porque posso, segundo porque quis, e terceiro porque me foi feita a vontade por mim mesmo. Contudo, reflectindo e divagando e após um breve período de reflexão e divagação enquanto reflectia e divagava, e para fazer a vontade a essas duas famílias que tanto mostraram preocupação relativamente à qualidade de debate de ideias muitas vezes expressa a partir das caixas de comentários por visitantes modestos e coscuvilheiros, esta publicação ficará assente com essa particularidade de análise, podendo comentar quem lhe estiver imposta a vontade, seja feita a sua vontade, tanto na terra como no céu, amén nosso senhor Jesus Cristo, Glória a deus nas alturas, avé Maria cheia de Graça. Porque, se dizem que eu não passo cartão a quem me dá recomendações, é mentira... estão, de certo modo, a meter palavras na minha boca. ***** («««CLICA ALI!)

Comentários

Shell disse…
Tal como 'os bons bikinis' a salsicha também faz mover muitos mundos... Ohh se faz :) **
El Matador disse…
Ah, é bom estar de volta a este espaço de livre pensamento.
(ler em voz alta)Quanto a essa cena dos ésses, caga nisso, pior era se não conseguisses dizer os érres, e andasses por aí a dizer 'paganoia' e 'guei dos matgaquilhos' e 'megda'.
A relatividade suaviza todos os nossos males.
Marcos V. disse…
Coscuvilheiramente observei o vocábulo associado à minha bisbilhotice - que antes era ignorado por mim, até sua revelação além mar - e feliz assumi esse posto bissexto. E enternecido pela camoniana performance abaixo, a qual não pude comentar devido à burocrática falta de opção opinativa coscuvilheira, lembro que um blog otário necessita de ter em mente que ele deve ser como a Lionor camponesa que vai pela verdura não segura, livre leve e solta. Então sugiro - para que venha a assumir a lionoriana premissa de blog desacorrentado e irrestritamente otário - a retirada da caixa de comentários para que os otários comentaristas apenas vislumbrem a possibilidade inviável de digitar seus vácuos existenciais além mar tropical-brasilianos e buscarem algo mais essencial para analisar, tal qual a influência da pronúncia da corte de d João VI no falar chiado do carioca, esse espécime da capital do Rio de Janeiro que perdigotamente tem suas performances vislumbradas durante as partidas de futebol narradas por irritantes narradores de futebol cariocas nas emissoras que transmitem os jogos no carioca estádio do Maracanã.
Marta disse…
Vinha aqui comentar mas depois de ler esta tua introdução aos comentários perdi-me em gargalhadas, isto enquanto ouvia Jorge Palma.
Briseis disse…
Jovem, eu fui uma das que ficou em descontentamento silencioso quando impedida de comentar os teus muito eruditos posts. Assim sendo, e para te mostrar que, na verdade, não mandas a ponta de um chavelho, não vou comentar este post. Pronto.
Tão típico, o país em dificuldades e tu a tentares arranjar provas de que és estrangeiro...
Vera, a Loira disse…
Eu só não percebi aquela parte das conversas mais sérias. É que a mim parece-me que pouco conversaram.
mythic disse…
ainda me lembro de estar com 2 amigos em vila do conde a festejar o s.joão e veio uma super brasa loirinha de olhos verdes pedir-nos informações e queria saber mais sobre a cidade e ela era da africa de sul e começou a falar inglês para nos , mas como bons portugueses que éramos não deixamos a brasa fugir e demos uma visita pelo porto com ela e família , passei ai das 01:00h as 03:00h +/- eu o o rui arranhavamos inglês , ela arranhava português , e conseguimos estar 2h falando inglês arranhado com ela , enquanto o 3 amigo tó zé , só sabia falar francês e lixou-se não apanhava nada do que nos falava-mos , enquanto fugimos com ela ele ficou tomar conta do irmão dela ....ha bons tempos ,,,viva o ingrrês , a sardinha e as minis ...
Otário disse…
Loira,
ya, a determinada altura perguntei-lhe as horas. Foi sério
para mim porque estava atrasado para uma aula. --' wtf?

Achas que não consigo ter conversas
sérias com pessoas?
Saudações otárias!
Otário disse…
Briseis,
os teus comentários paradoxalmente intelectuais são sempre bem vindos... manisfesta-te, revolta-te!!!
Ritinha disse…
Absinto. Gosto da ideia independentemente do modo como soa :P
John disse…
("....Para ver! a escuridão acena: Eu tenho ido." "....Ainda: de eu nunca ter temido/Eu não podia ver (se é que devo cruzar o caminho...)/E, portanto, eu sou estranho: a minha alma está cauterizada/Com desolação do dia, cegando..."
O véu foi rasgado!
Sim: que o véu seja desenhado!) (4.C.)

[Passe o seu cartão e a sua recomendação]; todavia, de branco ou em pauta, não precisa-se de nada meter em tua boca, já que dizes Glória’s, Maria’s e Graça’s estás salvo com “s”minúsculo!
Que assim seja – um Neófito aqui descança, peneirando na superfície seus trigos de enxofre.
Acaba em “vontade”.

john
► JOTA ENE ◄ disse…
ººº
eheheh ... tá bem ;)

Ho, que lindos textos, que poético, que lindo!