07/04/15

Pataniscas de experiências

Abri a farinha em estanca e coloquei no meio o fermento, meu amor estava comigo nesse preciso momento. Eu aproveitei a ocasião para lhe transmitir uma certeza e disse-lhe:
- Você é meu coração, você é minha beleza!
Seu olhar me penetrou pelos canais de recepção oculares no momento de intercruzamento de nossas íris. E de repente era sangue, vísceras, e seu corpo inconsciente. Estendi a massa em forma de rectângulo, com meu rolling pin, e no meio coloquei o coração de minha amada. Dobrei a parte esquerda da massa, dobrei a parte direita da massa, como que embrulhando o coração para o Natal. 
Querida, nunca pensaste que eu fosse tão literal: você é meu coração.

Dei duas voltas simples e uma volta em livro, untei um tabuleiro com manteiga. Cortei bocados de massa e formei umas bolinhas, fiz uns pãezinhos da casa que estavam bem quentinhos. Tu só jazias defunta, sempre me acusando, com esses olhos de morta a meu pão mirando. Hoje sinto-me bem, estou orgulhoso de mim. Já há muito tempo que não me sentia assim: no estômago, no intestino delgado, o melhor bolo alimentar formado. Tenho o teu coração nas mãos, tenho o teu coração neste pão. 
Ho querida! Minha inspiração! Minha fonte de vitamina B12!

Contigo todos os momentos são pataniscas de experiências!